18/09/2019

O Jornal Mídia Kit Anuncie Edição Digital Fale Conosco  

18/09/2019

Fabiano de Abreu participa de telejornal da SIC em Portugal e fala sobre teste de inteligência nas escolas

Publicado em 17/07/2019

O filósofo, poeta, escritor e assessor de imprensa luso-brasileiro Fabiano de Abreu participou neste terça-feira (16/07) do telejornal 'Edição da Manhã' da SIC, uma das maiores emissoras de TV de

 

O filósofo, poeta, escritor e assessor de imprensa luso-brasileiro Fabiano de Abreu participou neste terça-feira (16/07) do telejornal 'Edição da Manhã' da SIC, uma das maiores emissoras de TV de Portugal. O motivo da sua participação é o fato do filósofo ter 99 de percentil no teste de QI e fazer parte do 1% das pessoas do mundo que tem essa numeração. Fabiano defendeu também a sua tese de que nas escolas deveriam ter testes de inteligência para determinar possíveis profissões que caberia a cada pessoa através de aptidões. "Teste de inteligência não é igual ao teste de QI. O teste de inteligência determina as aptidões do jovem dando assim opções para que escolham profissões que melhor possam exercer dentro da sua capacidade." Fabiano faz parte da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo com sede na Inglaterra. O escritor relatou que recebe muitas críticas por terem dito que o seu QI é maior que de Albert Einstein e Steve Jobs. "O fato dos números dos meus 3 testes feitos terem dado acima do número desses personagens não quer dizer que eu tenha que ter os feitos deles. Quem os usou como referência foi um jornal para logicamente chamar a atenção no artigo através disso. Mas isso gerou cobranças e ataques. Sou assessor de imprensa, se tive um feito foi mudar a vida de algumas pessoas e ser o recordista em quantidade de personagens que criei na imprensa. Não mudei o mundo, mas pelo menos tento fazer a minha parte na sociedade para que ele seja melhor." Fabiano de Abreu é autor do livro "Viver Pode Não Ser Tão Ruim" e criou o que ele chama de poemas filosóficos que seriam rimas em questões filosóficas para chamar a atenção de alunos que não se interessam por filosofia.

 

Foto: Nuno Pisco

 

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade